domingo, 11 de janeiro de 2009

Transtorno pronominal [o caso reto]

Dedico esta série Gramaticando ao meu irmão mais velho.
Espero que haja alguma clareza nos meus textos
para que o auxiliem em sua batalha contra a gramática.


Era um dia comum como [quase] todos os outros. Aurora havia acabado de retornar à casa depois de mais um cansativo dia de trabalho. Estava ainda na entrada do prédio quando Jairzinho, vizinho de mesma idade que seu filho Roberto, desceu as escadas em direção à rua.

- Tia, posso brincar na sua casa? - perguntou Jairzinho trocando olhares com o amigo, já dando meia-volta e acompanhando Aurora e Roberto de volta às escadas.

- Acho que você deveria avisar a sua mãe antes.

- Ela já sabe!

- Sabe nada, Jair! - disse em tom brincalhão mas claramente repreensivo. Ele sorriu um sorriso sapeca que por si só parecia gritar: estou mentindo.

- Façamos o seguinte: a tia entra primeiro, guarda as bolsas e depois que o Betinho estiver de banho tomado pedirei para ir te chamar, está bem assim?

- 'Tá bom, tia!

Banho tomado, lanche também, dever de casa feito, eis que Aurora permite que Roberto vá chamar Jairzinho.

No meio da brincadeira Jairzinho se aborrece com uma divisão [na sua opinião] injusta dos carrinhos. Isso porque, tendo dois, Roberto deu um para cada e Jairzinho queria todos.

- Mãe, o Jairzinho quer ir embora...

- Ok. Eu o levarei em casa.

Mas Roberto, preocupado com a impaciência do amigo, adiantou-se à porta e começou a girar a chave.

- Roberto! Você escutou o que acabei de falar?

- Escutei, mãe: "vamos levá-lo em casa"!

- VAMOS? Não disse "vamos", disse que "EU" o levaria em casa! "Eu" e não "nós"!

- Então, mãe: EU-ROBERTO!

- Nãão... EU-AURORA!

- A senhora é "você", mamãezinha... "EU" sou EU mesmo: R-O-B-E-R-T-O!

Aurora respirou fundo. Impossível explicar a uma criança tão pequena todas as relatividades dos pronomes pessoais do caso reto...

A essa altura Jairzinho já havia se esquecido de que queria ir embora. A briga pelos dois carrinhos era assunto do passado, agora estava de volta ao quarto montando as primeiras peças do joguinho de quebra-cabeça.

Raros minutos de silêncio se passaram.

[...]

Então:

- 'Bétô', onde encaixo esse?

Roberto adiantou-se e encaixou a peça no local correto. Jairzinho cruzou os braços com uma expressão profundamente ressentida. Levantou-se num pulo:

- Seu sem-graça! - vociferou indignado - Era para EU montar...

- Eu-Roberto?

- ARGH!!!! - e Jairzinho saiu pisando fundo pela porta afora [tão rápido que] nem deu tempo de Aurora alcançá-lo. Roberto, no entanto, em sua confusão pronominal, jamais soube como aborrecera o amigo...

- Eu, heim!

Aurora, embora tentasse explicar, quase sempre perdoava a falta de entendimento das crianças por elas pouco saberem de gramática. O estranho é que muitos conhecidos seus, já sendo adultos, tinham a mesma dificuldade de Roberto para relativizar o eu...


Comentários
30 Comentários

30 comentários :

Juliano Jacob disse...

É mais fácil e mais rápido levar Roberto junto do que explicá-lo... Já falei que esse Blog é indecente de bom?...

Homenzinho de Barba Mal feita disse...

Concordo com o Juliano. Era mais fácil a Aurora ter levado o Roberto do que explicar a relatividade dos pronomes pessoais de caso reto.
Gostei da forma como você escreveu, eu consegui visualizar até a casa e o comodo que o jairzinho estava tentando montar o quebra-cabeça.

Bjos!!!

30 e poucos anos. disse...

Bom dia Ellen...muito bom post, passei por algo parecido com a minha filha e realmente foi complicado explicar os pronomes.

MattXFrehley disse...

boa explicação

Rosana disse...

adorei!
=)

Sonebald disse...

Bom, obrigado por comentar. E fui pensando melhor, e mudei o final do texto. Mas deixei aquele outro final como final alternativo.

Enfim, olhe e me diga:
http://eudevosaber.blogspot.com/2009/01/amor-e-alma.html

Guilherme Santos disse...

muito bom o texto
nunca conhecia alguem com esse problema
mas certamente deve haver

Morango com leite condensado disse...

É realmente pra algumas pessoas esse conteúdo é um problema, mesmo dps de anos de estudo. Belo post... me lembrei das discussões na faculdade.

Bjos

Leo Pinheiro disse...

Caramba, a Aurora enrolou tanto a cuca do garoto que mais confundiu do que explicou qq coisa. rs

Engraçado o modo como vc explanou o vício. Ri bastante...

Caio Cipriano disse...

Olha aí como o uso errado da lingua pode causar transtornos

30 e poucos anos. disse...

passando novamente por aqui pra ver o que ficou de diferente no post.

Marcio Sarge disse...

Moça! Aprender nunca foi tão divertido!

Você dá uma aula rs.

beijos.

Marcelo disse...

Muito bom, Ellen,
Mas sabe que isso é um problema mesmo. Os autores tratam disso em lingüística textual como um problema de referencialidade no discurso. Isso ocorre com os pronomes retos com mais freqüência por causa de sua retomada no enunciado. Há um trabalho do Umberto Eco chamado “Seis passeios pelo bosque da ficção” em que propõe a divisão do eu do discurso em 6 EUs... três que falam e três que ouvem. Se te agrada o assunto, pode dar uma olhada nesse livro ... é uma delícia de tema.
Uma delícia de texto esse seu...
Adorei.
Abraços

Marcelo

Ricardo Winchester disse...

mtu bom o texto!!!!!

Existem varias pessoas com esse problema

braz

André disse...

o problema é que ja destruiram o portugues e ao ficar criticando que escreve a sua maneira ja nao cabe mais - vejam a linguagem do futuro na web...

Dom Fernando disse...

bacana o texto moça.....bem escrito

parabéns

Rubens Rodrigues disse...

OI, finalmente consegui abrir o blog \o/

Explicar essas coisas pra criança é meio complicado mesmo. Imagina agora, que as crianças já aprenderam certas coisas vão ter que reaprender a pelo menos escrever, haha.

Coisas da vida.

Ótimo texto!!!

Marcio Santos disse...

Nunca fui bom com a lingua portuguesa...rsrs



Se puder passa no meu blog:

http://paginadacomedia.blogspot.com/

Marcio Santos disse...

Ah, seu blog e bem legal, atualize sempre!!



http://paginadacomedia.blogspot.com/

soublogueiro disse...

Primeira vez que passo aqui,
acho que seria legal passar outras vezes!!
Você é parente da Elis Regina?? rss

http://www.indicoesse.blogspot.com

... disse...

Vlw por comentar o meu blog ...
So naum entendi oq vc kis dizer com

"P.S.: esse post é de utilidade pública, sabia disso?"

http://www.technews.vai.la/

soublogueiro disse...

E jair, nao consegue relativar a palavra EU!
Crianças são fogo! rsss
uma indireta direta pra seu irmao, não?

http://www.indicoesse.blogspot.com

Fester disse...

Já passei por aqui algumas vezes.

O seu blog é muito bom! Parabens!

* * *

Manifesto de Solidariedade ao Povo Palestino
www.webfester.blogspot.com

Janine disse...

Eu, eu, eu... Quando vamos falr de nós... Espertinho esse garoto!

Deka Silva disse...

ÊÊ, consegui acessar seu blog!
Dessa forma é bem mais interessante aprender e não se esquece jamais!

Fabio Gouvêa disse...

Realmente é dificílimo relativizar o Eu pra algumas pessoas.

Acho que chega a ser egocêntrico. Muito boa a sacado do texto!

Daia disse...

Ótimo conto!
Parabéns pelo blog, adorei!

Astréia e Narciso disse...

Texto criativo e cativante e o final abre espaço par auma interpretaçao filosòfico-existencial. Tudo de bom!

Mateus disse...

Eu, hein?
Que coisa de louco.
Mas é engraçado ver as confusões da gramática, com o tempo a gente vai aprendendo.

Rozangela disse...

Que bom voltar e ler outro post seu. Adoro seus textos. Beijinhos!!
http://cgfilmes.blogspot.com/

Sejam bem-vindos ao facetas!

................TODOS OS TEXTOS DESSE BLOG SÃO AUTORAIS............

Resolvi utilizar este espaço para divulgação de trechos de alguns trabalhos meus... Espero que vocês apreciem. Críticas e comentários serão muito bem-vindos, sobretudo críticas!

Se você já leu o texto acima não fique tímido: fique à vontade para comentar em outras postagens!